quarta-feira, dezembro 19

ARTE

As Senhoritas de Avignon, a obra de Picasso que é considerada a precursora do Cubismo acaba de fazer cem anos, e desde maio/2007 pode ser visto numa belíssima mostra no MOMA (Museu de Arte Moderna) de Nova Iorque.
A obra pertence ao acervo do museu, há cerca de 70 anos e a exposição traduz aos visitantes o porque das fortes críticas sofridas pelo artista por ocasião da apresentação do quadro, o que não ocorreu sem antes ter feito mais de cem estudos preparatórios e rascunhos da obra.
Em verdade, a pintura retrata cinco prostitutas em um bordel da rua Avinyo, em Barcelona. "Não houve até hoje nenhuma obra que, como essa, mudou a arte moderna ou contemporânea", disse John Elderfield, um dos especialistas do MoMa e um dos curadores da instalação em que a pintura está exposta no momento. "Esse quadro mudou todo o caminho figurativo de Picasso."

Um comentário:

Anônimo disse...

Cara Tania:

Adorei a pintura, as "Senhoritas de Avignon" me pareceram relaxadas, tranquilas, algumas delas até felizes. Acho incrível como Picasso conseguia registrar o momento e o estado de espírito das pessoas, especialmente das mulheres. Da mesma forma que para o pintor, elas são muito importantes para mim.

Caso você tivesse me perguntado diretamente, como fez para a Carolyn, "esse seu amigo é inteligente, sensível e gosta de fazer uma mulher gozar. Afinal, Hans Bintje é homem ou mulher?"

Eu responderia: Sou lésbico.

Descobri essa minha tendência ao viajar pelo mundo, na maior parte do tempo sozinho.

Encontrei muitas mulheres solitárias, várias até bonitas, mas a maioria era fútil e desinteressante. Depois de tantas andanças por aí, eu percebi que uma boa conversa, uma boa troca de idéias me ajudava a manter a sanidade mental, algo importante quando a gente começa a perder as referências de nacionalidade, de lar, coisas assim.

Foi dessa maneira que as mulheres boas de papo ganharam meu coração. De repente, lá estava eu partilhando o Universo delas, curtindo os espasmos de seus corpos, os gritos histéricos pelo alcançar do gozo. Mas também ficávamos conversando, rindo, vendo uns filmes, cuidando da casa, cozinhando... o prazer não se resume ao sexo.

E tudo passa tão rápido, logo estava em outro lugar. Mas prometi a mim mesmo fazer minha companheira feliz enquanto pudesse estar com ela. Isso me tornou lésbico porque tive que me afastar do Universo masculino para que pudesse aproveitar os poucos momentos - mas vividos intensamente - que eu estivesse junto da Mulher.

Um grande abraço, Hans Bintje