quarta-feira, fevereiro 13

O SEGREDO DOS PASTÉIS DE BELÉM





Tenho um amigo de longa data que está morando em Lisboa há alguns anos, e me sugeriu uma pauta deliciosa para os amantes de doces portugueses: os famosos pastéis de Belém.

Segundo informa, os originais podem ser achados na fábrica em Belém, onde todas as manhãs, o 'mestre dos pastéis' inicia a confecção de milhares deles, seguindo a sigilosa receita da casa.

Além dos ingredientes corretos, e da mão do mestre da cozinha, há que se atentar para a absoluta ausência de máquinas ou tecnologia, o que poderia facilitar o trabalho, mas certamente tiraria grande parte do charme do negócio.

A culinária portuguesa, na
qual se incluem os famosos doces à base de gema, tem forte vínculo com as raízes da igreja.Viceja a lenda de que haveria um confeiteiro, dono de uma refinaria de açúcar, chamado Domingos Rafael Alves, que teria se tornado amigo de um pasteleiro do Mosteiro dos Jerónimos.
Com a revolução de 1820, teriam desaparecido muitas ordens religiosas, o que deixou monges e freiras desalojados, e muitos trabalhadores desempregados.

Foi nessa época que o confeiteiro contratou o pasteleiro - detentor da receita dos pastéis, o que impulsionou fortemente os negócios de Domingos Rafael, tendo sido criada a primeira e única fábrica de Pastéis de Belém.

O pasteleiro trabalhava até de madrugada, tendo a patente da receita sido registada um pouco mais tarde, permanecendo em segredo até hoje.

Atualmente a fábrica
produz quase quinze mil unidades por dia...impressionante!


Meu amigo Eduardo diz que eles são irresistíveis, principalmente quando acabam de sair do forno...ai meu Deus!

À medida que a produção
foi aumentando, tornou-se necessária a contratação de novos tabalhadores para a fábrica, o que gerou o grande temor de que a receita secreta caísse em dominio público.

Após muito pensar, o dono do negócio decidiu escolher o novo pasteleiro dentre os funcionários de sua própria empresa - com a condição de que o eleito alí trabalhasse há pelo menos 25 anos, além de ser obrigado a assinar um contrato de confidencialidade, assim como todos os que trabalham na cozinha.

Felizmente, nunca ninguém
quebrou o sigilo e a receita permanece confinada nas belas paredes da fábrica.

Os portugueses afirmam que pastéis de nata podem ser experimentados em diversos cafés de Portugal, mas nenhum deles ostenta o sabor original, especialmente quando vem quentinho e é servido com açúcar em pó e canela, mas, mesmo frios,continuam a ser incrivelmente deliciosos.

Se você quiser
trazê-los para o Brasil, saiba que eles podem ser embalados em caixas com o logotipo da fábrica, e ainda vêm com pacotinhos de açúcar em pó e canela, para que os seus convidados não percam nenhum detalhe da delícia portuguesa.

A visita à fábrica, além de fazer bem ao paladar, faz muito
bem aos olhos: você se encantará com os painéis de antigos azulejos azuis que decoram algumas das cinco salas abertas ao público, sobretudo se tiver degustando um pastel que tenha acabado de sair do forno....
fontes: http://www.pasteisdebelem.pt/ e http://www.strawberryworld-lisbon.com

12 comentários:

Anônimo disse...

A verdade é que aqui em Lisboa como falam os portugues em outros "sítios", subentende lugares. Os pastéis (são doces e não salgados) de Belém são incomparáveis quando se vai lá na loja da fábrica deliciá-los. è incomparável por realmente são delicioasa e sai a todo tempo quentinhos, que maravilha é vir aqui e conferir.

Anônimo disse...

sim uma verdadeira maravilha..
sem duvida
mas onde estão as fotos de quem realmente os faz..
Trinta e tal mulheres que desde as 7 da manhã sem horário para sairem basta que falte pastéis para esse dia não podem abandonar o virar as costas a esse facto..
é de lamentar..........

Anônimo disse...

O segredo e bem simples

Usam água gelada na massa e uma essência de baunilha extraida de favas vindas da Jamaica

Anônimo disse...

Revelado por um mestre pasteleiro depois da terceira garrafa de vinho

Anônimo disse...

Só não revelou-me o fornecedor das favas de baunilha e como extraem o sabor da baunilha

Anônimo disse...

Tenho um palpite de que as extraem em Vinho do Porto

Anônimo disse...

O Mestre ficou mudo quando o questionei

E quem cala consente diz o dito popular!

Anônimo disse...

Um outro segredo que me foi revelado pelo Mestre Pasteleiro e que os 500 Kg diários de massa Sao produzidos em misturadores industriais,que misturam a farinha,água bem gelada,sal,e manteiga da Serra da Estrela, embora digam que e feito a mão.

Por isso fica trancado

Anônimo disse...

Acho muito egoismo nao revelarem como se faz algo saboroso, Afinal se morrerem todos que sabem realmente o mundo perde conhecimento que pode gerar felicidade. Eta racinha besta e a raça humana

Anônimo disse...

São poucos os que sabem o segredo e nunca viajam juntos, por exemplo, de avião. Pois se cai o avião morreria o segredo. Mas cá para mim, há muito mais marketing, que propriamente um segredo.

Anônimo disse...

Só para quem tem grande palato e deseja fazer os tão famosos pasteis de Belem...os pasteis de Belém levam flocos de batata, além de leite e ovos, e levam uma parte do leite é como se fosse aquele utilizado para requeijão. Os flocos de batata são parecidos com os utilizados para o puré instantaneo mas sem sabor...antigamente utilizavam algo parecido, pois ainda não existiam flocos de batata, mas existia outra coisa que todos nós conhecemos mas que hoje praticamente não se utiliza. É extremamente simples o seu confeccionamento.

Anônimo disse...

Só para quem tem grande palato e deseja fazer os tão famosos pasteis de Belem...os pasteis de Belém levam flocos de batata, além de leite e ovos, e levam uma parte do leite é como se fosse aquele utilizado para requeijão. Os flocos de batata são parecidos com os utilizados para o puré instantaneo mas sem sabor...antigamente utilizavam algo parecido, pois ainda não existiam flocos de batata, mas existia outra coisa que todos nós conhecemos mas que hoje praticamente não se utiliza. É extremamente simples o seu confeccionamento.