domingo, maio 18

MAIO DE 1968


Pernas, pernas e pernas. Foram elas o símbolo da revolução feminina nos anos 60 seja na minissaia, lançada pela inglesa Mary Quant e por Courrèges, ou na calça comprida do terninho criado em 1968 por Yves Saint Laurent.

De pernas de fora ou cobertas pela pantalona, as moças ganharam o mundo e começaram a acreditar que poderiam um dia ser livres, transar sem engravidar graças à pílula anticoncepcional, trabalhar sem depender do marido e viver felizes para sempre fora das grades do lar.

Entenda a importância dos acontecimentos de maio de 1968

Não foi por acaso que as revistas da época fotografavam as modelos pulando sem parar. Com as pernas da manequim Verushka, os olhos atentos da inglesa Twiggy e o espírito livre de Leila Diniz, a mulher de 68 foi guerrilheira, intelectual e ultra sofisticada.


O espírito inglês dos Swingin London dominava a cena internacional e quem amava os Beatles vestia terninho no estilo mod, usado pelos dândis da classe média londrina. Em Paris, revolucionada pelas manifestações, os mestres da moda Courrèges, Pierre Cardin e Paco Rabanne davam sua própria virada, restrita aos ateliês de alta costura, já articulando outra revolução, a do prêt-à-porter.

Mauricinhos Rive Droite contra revolucionários Rive Gauche

A jornalista Christiane Fleury, filha do correspondente do grupo France Soir, Jean-Gérard Fleury, no Brasil, acompanhou os acontecimentos de maio de 1968. Em Paris, além dos confrontos estudantis e operários, havia, segundo ela, a oposição entre a juventude Rive Droite (o lado chique e rico da cidade) em relação a da Rive Gauche (a universidade da Sorbonne e arredores, coração das manifestações).

“Na época eu estudava no Liceu Francês no Rio e costumava passar três meses na cidade. Quando os conflitos aconteceram eu era Rive Droite e andava com os rapazes bonitinhos, que usavam pulôveres e coletes de Shetland (fina lã extraída de ovelhas criadas nas ilhas Shetland, na Escócia), um estilo college de fazer inveja a Ralph Lauren”, diz.

Mais tarde, quando foi estudar na Sorbonne virou Rive Gauche. Na Rive Droite nasceu o Bon Chic Bon Genre (BCBG), elegância mais tradicional, influenciada pela alfaiataria inglesa. Dos líderes de maio de 1968, Christiane gostava de Jacques Sauvageot, de paletó de veludo cotelê e camisa social, “o mais bonitão e charmoso”, lembra Christiane.


Nas ruas, segundo a jornalista, a Rive Gauche não usava nem Courrèges nem Cardin mas já aderia ao estilo hippie. “Quando fui enviada para cobrir uma exposição no Grand Palais pela revista Manchete, descobri que além dos ingleses, os franceses também estavam criando coisas interessantes com Courrèges, Cardin e Paco Rabanne, este último mostrando suas criações no Grand Palais e já fazendo seu merchandising com as modelos se apresentando dentro de carros”, conta.

Rhodia, tergal e Bibba no Brasil

No Brasil a moda dos anos 60 entrou na era industrial com as fibras sintéticas (náilon, banlon e tergal) fazendo com que os revolucionários não perdessem o vinco. A produção em larga escala exigiu um marketing à altura, bancado pela Rhodia e idealizado pelo publicitário Livio Rangan, que promoveu os primeiros desfiles-espetáculo na Fenit (Feira Nacional da Indústria Têxtil) envolvendo artistas como Volpi e Aldemir Martins na criação das estampas, em verdadeiros shows com roteiro de Carlos Drummond de Andrade, Millor Fernandes e Torquato Neto.

Muito antes da loja Bibba de Barbara Hulanick em Londres, já tínhamos a nossa, inaugurada no dia 15 de novembro de 1960, em Ipanema, por José Luiz Itajahy. “Voltei da Inglaterra e passei a comprar modelagens nas principais lojas de lá adaptando-as para o Brasil”, conta José Luiz, hoje dono do restaurante Sushi Jardin, em Búzios.

Inimigo ferrenho do sutiã, José Luiz se orgulha de ter colaborado para liberar várias mulheres: “Eu vivia com uma tesoura no bolso de trás da calça. Quando via que podia cortar o sutiã da cliente, eu cortava”. Itajahy vestiu a atriz Dina Sfat (outra musa da época) para o prêmio Molière. “Ela estava esperando bebê, com um barrigão e preocupada com o sapato pois o pé inchara. Vesti a Dina num tecido de gase pintado e a convenci a ir descalça”.

Para entrar no clima sixty 68

Em ritmo de “vale a pena usar de novo”, as meninas voltaram a garimpar nos brechós clássicos como a boina para dar um ar francês. Se você usa óculos o look fica perfeito e intelectual mesmo que não tenha lido uma linha do “Segundo sexo”, de Simone de Beauvoir. A seguir um roteiro de estilo:

Terninho: a estilista Nica Kessler apostou no look mas recomenda: “quebrar o combinadinho com sapatos e acessórios coloridos.

Minissaia: Quando a estilista Mary Quant criou a peça fez também meias coloridas para que não chocassem demais. As minis de hoje fazem boa parceria com meias coloridas sem esquecer que as brancas dão o ar futurista lançado por Courrèges e Cardin na época.


Gola Rulê: Um clássico dos anos 60 tanto para homens como para as mulheres. Fica super revolucionário retrô sob vestes e vestidos, completados por botas baixas e mais largas.


Acessórios: Lenços, óculos enormes, anéis e brincões no gênero Verushka farão você botar um pé nos 70, quando no Brasil os sonhos revolucionários foram destruídos pela ditadura e a moda, hippie, colorida e desbundada, virou uma válvula de escape.

fonte:www.globo.com


Nenhum comentário: